Logística

Ter uma frota própria ou terceirizar: o que vale mais a pena?

Logística: Frota própria ou terceirizada

No que diz respeito à logística, as discussões sobre a manutenção de uma frota própria ou a adoção de uma frota terceirizada são fundamentais. É preciso levar em conta o planejamento a curto, médio e longo prazos ao optar por um dos dois procedimentos. Você verá, neste post, as vantagens que cada uma possui e em quais circunstâncias vale a pena ter uma frota própria ou uma frota terceirizada.

Benefícios da frota própria

A adoção de uma frota própria aparece como uma alternativa adequada para as empresas que precisam ter veículos sempre de prontidão para realizar as entregas. O controle sobre a frota é total, os veículos são adquiridos pela própria empresa e o processo de seleção dos motoristas é feito em sintonia com os valores da instituição. Além disso, permite uma tomada de decisões mais rápida, pois não depende de outra empresa para colocar os planos de transporte em prática.

Benefícios da frota terceirizada

Por outro lado, empresas menores, que consideram a depreciação dos veículos próprios e trabalham com entregas mais curtas, têm adotado frotas terceirizadas. Não há uma preocupação com a manutenção dos veículos, que fica a cargo das locadoras. Elas sempre disponibilizarão veículos constantemente revisados ou com baixa quilometragem. O comprometimento com metas em longo prazo permite um investimento inicial mais baixo, além de enxugar a estrutura administrativa. As negociações do frete são mais flexíveis.

Quem terceiriza frotas na logistíca

Nos últimos anos, diversas instituições públicas têm terceirizado suas frotas. Um dos exemplos está nas forças policiais de alguns estados, que têm trabalhado dessa maneira. Em épocas passadas, o tempo perdido com carros parados nas oficinas e os custos oriundos das manutenções dos veículos fazia o serviço ser bastante demorado, interferindo no desempenho da corporação e nas condições de trabalho dos militares.

Quem mantém frota própria

Grande parte das transportadoras possui uma frota própria. Ela coloca uma confiança maior para seus clientes e fornecedores. Os motoristas, constantemente treinados, acabam por prestar um serviço personalizado. Além disso, elas firmam parcerias de médio e longo prazos com fabricantes de veículos automotores, criando uma identidade da empresa com determinada montadora, por exemplo, reforçando o nome da organização e agregando valor.

Comparando os dois modelos

É fato que, com uma frota própria, as empresas têm de arcar com custos relacionados à documentação dos veículos e seguros, além de contratar uma equipe responsável para cuidar exclusivamente da frota. Esses custos representam acréscimos na planilha de despesas, e ainda se somam aos gastos envolvidos na manutenção de veículos e na renovação periódica da frota.

Por outro lado, uma frota terceirizada pode não alcançar os níveis de exigência e de qualidade de determinada empresa e, por isso, adotar esse método pode não ser uma boa alternativa. Além disso, alguns gestores perdem autonomia durante o processo de negociação dos fretes com a terceirizada que, dependendo da prestadora de serviços, passa a ser mais longo, prejudicando o planejamento da contratante.

Pese os prós e os contras antes de escolher

Caso sua empresa necessite de um controle firme sobre as decisões e o trabalho da equipe, considere utilizar uma frota própria, mesmo sabendo dos custos adicionais que isso pode acrescentar. Porém, se o objetivo de sua empresa é de racionalizar os gastos e cumprir de forma mais flexível os prazos, pense em implantar uma frota terceirizada.

Busque sempre uma empresa que transmita confiança e credibilidade, acertando os diversos pontos necessários para implementar o processo mais adequado, colocando em prática o que for melhor para seu negócio.

E então, gostou do artigo? Reflita sobre esses modelos e comente no post!