Logística

Os 7 indicadores de desempenho de logística para você acompanhar

Os 5 indicadores de desempenho de logística para você acompanhar

Os indicadores de desempenho — ou KPIs (Indicadores-chave de desempenho) — são uma ferramenta de gestão utilizada para mensurar os resultados de determinado processo. Eles oferecem parâmetros para que a produção seja acompanhada e comparada em diferentes períodos, facilitando o trabalho de tomada de decisão do gestor e os planejamentos estratégicos.

A logística, há algum tempo, deixou de ser vista apenas como um gargalo econômico e se tornou uma área estratégica para as empresas. Assim, apesar de sua atuação operacional, seus produtos impactam diretamente toda a empresa — como o resultado do grau de satisfação dos clientes e da gestão financeira.

Portanto, a definição de indicadores de desempenho, bem como seu acompanhamento, deve ser uma atividade rotineira para o setor. Nesse post você conhecerá 7 indicadores de desempenho que precisam ser acompanhados. Entretanto, antes disso, que tal tirarmos possíveis dúvidas sobre o que são os KPIs e como defini-los? Continue a leitura!

Por que os KPIs não são apenas métricas?

Diferente do que muitos pensam, KPIs são absolutamente diferentes de métricas. Enquanto o último demonstra o resultado bruto das atividades operacionais — número de viagens feitas, por exemplo —, os KPIs expressam os resultados reais da empresa pautados em uma análise estratégica — como o tempo médio de entrega.

Sendo assim, os KPIs são mais específicos que as métricas, e são selecionados para acompanhar resultados pontuais no exercício das atividades organizacionais.

Como são definidos os indicadores de desempenho?

A definição dos KPIs, dada sua natureza, está intimamente ligada à estratégia de um negócio. Isso significa que mesmo que alguns indicadores sejam fundamentais para a empresa X, eles são dispensáveis para empresa Y.

Apesar disso, os pontos basilares para a definição de KPIs logísticos são: o estoque, o transporte e a segurança da carga. Como eles são o “produto” do setor, o resultado desses três pontos demonstra a eficiência logística da organização.

Dessa forma, ao basear-se nesses três fatores, a companhia poderá definir os indicadores de desempenho mais relevantes para acompanhar seus resultados, sempre considerando a estratégia adotada — se a empresa quer focar na fidelização de clientes, por exemplo, o tempo médio de entrega é fundamental.

Os 7 principais indicadores de desempenho

Agora que você aprendeu um pouco mais sobre os indicadores de desempenho — como defini-los e sua importância —, chegou o momento de apontarmos os 7 principais indicadores.

Mesmo que a definição de KPIs seja algo que varia de negócio para negócio, alguns indicadores de desempenho são comumente utilizados no setor logístico e, por isso, é importante considerá-los. Veja sete desses KPIs abaixo!

1. Nível de serviço de entregas

Esse indicador mede o cumprimento dos prazos de entrega e é um dos principais indicadores de desempenho da logística. Ele leva em consideração o tempo que a carga demorou para chegar ao cliente, a partir do momento em que o caminhão foi liberado para transporte.

Por meio dele é possível identificar as principais falhas nas entregas em determinadas regiões e buscar quais são as principais causas para os atrasos.

2. Tempo de ciclo do pedido

O indicador de tempo de ciclo do pedido é um pouco mais amplo do que o de nível de serviço. Ele calcula o tempo que um pedido leva para ser concluído, do momento em que ele é inserido no sistema até o momento em que é recebido pelo cliente final. Ou seja, abrange todo o processo.

É importante fazer esse cálculo, pois nem sempre os atrasos nas entregas são de responsabilidade do transporte. Pode ser devido a um item que não estava disponível em estoque e a falta não foi apontada no sistema, pode ser devido ao atraso na liberação da documentação do veículo, como também pode ser pela demora no carregamento, entre outras várias razões. Dessa forma o gestor consegue identificar os gargalos e criar ações para minimizar ou eliminar os impactos negativos.

3. Índice de ocorrências

As ocorrências são registradas toda vez que algum evento, que não havia sido planejado, se concretiza. Podem ser abertas devido a avarias, extravios, trocas e devoluções, por exemplo. Esse também é um dos indicadores de desempenho que não pode deixar de ser mensurado, pois essas ocorrências provocam aumento de custos, desperdício de tempo, compromete a produtividade e causam retrabalhos. Ou seja, além de comprometer o planejamento original e trazer impactos para a rotina, proporcionam uma experiência ruim ao cliente.

4. Percentual de cargas rastreáveis

O cálculo desse indicador leva em consideração a razão entre o número de cargas que podem ser rastreadas e o total de cargas que foram enviadas no mesmo período. Além de ajudar a compreender o grau de sofisticação e automatização do transportador, ele ajuda a compreender até que ponto a análise de nível de serviço é confiável.

Por exemplo, dificilmente se poderá confiar em uma análise de nível de serviço para um transportador que possui apenas 40% das suas cargas rastreadas. Visto que os outros 60% podem apresentar dados muito diferentes, o que provocaria um furo na análise e invalidaria o KPI por falta de referências.

5. Exatidão das notas de transporte

O indicador de exatidão das notas de transporte serve para identificar a quantidade — ou o percentual — de notas que foram emitidas sem erros durante determinado período. Pode ser utilizado tanto para compreender a qualidade do serviço de transporte que é prestado, quanto para avaliar a necessidade de retrabalho na logística.

Os erros podem ser de valor incorreto, falta de informações e divergências de peso, por exemplo.

6. Cálculo da conta frete

Outro indicador de grande impacto no desempenho logístico de uma empresa é a conta frete. Esse indicador é o resultado da soma do custo total de frete, desconsiderando os custos operacionais. Assim, ele é o somatório de todo o pagamento devido à transportadora.

Esse indicador pode ser usado para acompanhar os gastos com frete em diferentes períodos, comparando as opções disponíveis de transporte, auxiliando na previsão de gastos e pesando, significantemente, no orçamento estimado. Além disso, a conta frete também pode ser pautada em um mapa de calor, o que ajuda a otimizar as rodas e remanejar demandas para evitar envios menores.

7. Tempo de atraso das entregas

Como indicador de processos internos, o tempo de atraso das entregas é um KPI essencial para medir a eficiência logística e o impacto dessa atividade no relacionamento com o cliente. O objetivo dele é entender o tempo de atraso que vem sendo praticado pela empresa.

Dependendo do valor encontrado, a empresa pode repensar sua estratégia de várias formas. As duas mais comuns são: [1] aumentando a eficiência logística, principalmente na redução de burocracia e otimização de rotas ou [2] alterando a data da entrega estimada para uma perspectiva mais realista, baseada nos últimos resultados.

Dado o exposto, vale reforçar que os indicadores de desempenho são instrumentos importantíssimos para qualquer gestão. Porém, para que eles sejam realmente eficazes e possam auxiliar a aprimorar os processos e seus resultados, o ideal é que estejam alinhados com as estratégias e objetivos da empresa.

Se isso não for respeitado, a companhia corre o risco de definir indicadores em excesso, normalmente sem finalidade alguma. Isso vai contra o princípio dos KPIs, já que indicadores de desempenho servem para mensurar pontos importantes da estratégia organizacional, facilitar o acompanhamento dos resultados da empresa e permitir o planejamento estratégico.

O que achou desse artigo? Gostou do conteúdo? Para continuar sempre por dentro das novidades e crescer cada vez mais com sua empresa, siga nossos perfis nas redes sociais (Facebook , Linkedin) para acompanhar todo o nosso conteúdo!