Arquivo remessa: tire aqui suas principais dúvidas

Para manter a saúde financeira da empresa, é preciso ir além de pagar as contas em dia, de cuidar para que haja equilíbrio entre a oferta e a demanda e do capital de giro. É necessário entender como funcionam as transações, de modo que as informações trocadas entre a sua empresa e o banco estejam seguras e atualizadas.

Dominar conceitos como o de arquivo remessa de cobrança é essencial. E por falar nele, nós preparamos um post completo para que você compreenda como o arquivo remessa funciona e como ele opera no processamento de boletos bancários. Confira a seguir!

Como funcionam os boletos bancários?

Para entender como funcionam os arquivos remessa de cobrança, é preciso “voltar algumas casas” e compreender bem como os boletos bancários operam.

Sendo uma das modalidades de pagamento mais utilizadas, o boleto bancário é um título de cobrança que pode ser pago em instituições conveniadas até uma certa data. Como você já deve saber, eles contêm instruções para a efetuação do pagamento até mesmo após o vencimento, informando quais são as taxas de juros e multas. O corpo do boleto tem uma série de informações relevantes, tais como:

  • banco do beneficiário;
  • cedente;
  • titular da cobrança;
  • valor a ser quitado;
  • data de vencimento;
  • instruções para a quitação do valor após o vencimento;
  • código de barras;
  • número do beneficiário para conciliação bancária
    com arquivos de retorno;
  • agência do beneficiário;
  • código do beneficiário;
  • número do documento.

Após receber o pagamento, o banco então credita o valor na conta do beneficiário.

A FEBRABAN (Federação Brasileira dos Bancos) já determinou o fim da modalidade dos boletos sem registro. E para facilitar a cobrança com os boletos bancários, a Federação determinou também dois tipos de arquivo de remessa e retorno: o CNAB 400 e o CNAB 240, conforme explicaremos neste artigo.

A geração de arquivos de remessa e o envio desses arquivos para o banco garante que os boletos sejam registrados antes que eles sejam pagos. Quando o boleto registrado não tem o arquivo de remessa enviado ao banco, pode ser que haja rejeição do boleto no momento do pagamento. Isso causa atrasos na hora de receber.

O que é um arquivo remessa de cobrança?

O arquivo remessa de cobrança bancária é um arquivo com extensão .REM, responsável por enviar informações para cobrar algum cliente de um produto ou serviço.

Para a elaboração de transações financeiras como débito em conta e boletos bancários, a FEBRABAN disponibiliza um layout específico, de forma que os bancos possam ler, efetuar o registro e as cobranças. Por isso, qualquer boleto registrado precisa de arquivo remessa.

Dessa forma, em escolas, empresas de hospedagem, academias e outras que emitem boletos bancários com ou sem registro, bem como as que recebem por meio de débito em conta-corrente, a conciliação de boletos é uma rotina. Fazer esse processo manualmente é uma chamada para o caos, já que a conferência de relatórios leva tempo, causando danos para a produtividade da sua equipe.

O arquivo remessa de cobrança permite a automatização da conciliação de boletos em todos esses setores. Para isso, é preciso ter um software para a geração do arquivo remessa.

Como funciona um arquivo remessa?

Quem vende com boleto bancário online, offline ou débito em conta pode usar a funcionalidade de remessa dentro do sistema online de cobrança adotado.

Como dissemos, o arquivo remessa de cobrança é processado com a extensão .REM. Já o arquivo de recepção da liquidação de boletos em lote é processado com a extensão .RET. Isso permite que os dados sejam compilados em lote e lidos em uma aplicação única.

Com o lote de boletos, o software gera arquivos em grupo e os envia ao banco. O banco recebe o lote e gera os débitos individualmente, bem como os boletos. Para que os arquivos de remessa e de retorno sejam lidos pelo banco, eles têm de estar no padrão CNAB.

O que é CNAB?

A sigla CNAB significa “Centro Nacional de Automação Bancária”, um tipo de arquivo em formato texto que mantém a comunicação entre clientes e bancos. Com o CNAB, é possível trocar informações referentes à cobrança, débito em conta, pagamento, custódia de cheques, entre outros.

Usando o CNAB, aumentar o volume de transações não acarreta na perda da qualidade nos serviços. Como dissemos, quem estabelece o padrão dos arquivos é a FEBRABAN, mas podem ocorrer variações de acordo com as peculiaridades de cada banco.

Há dois tipos de CNAB. O CNAB 400 armazena uma quantidade menor de informações, suportando até 400 posições para cada registro. O CNAB 240, por outro lado, suporta 4 segmentos de 240 posições, armazenando uma quantidade maior de informações.

O sistema é complicado?

Não! Com um bom sistema para integração de dados com bancos para empresas, tudo fica mais simples. Esse sistema permite a eliminação de processos manuais em arquivos, a leitura automatizada dos arquivos e extratos, geração de segunda via de boletos aos clientes. Tudo isso fazendo a integração direta e segura entre os bancos e o ERP.

Quando a empresa envia o arquivo para o banco, o processo é chamado de “remessa”. O “retorno” ocorre quando o banco envia um arquivo para o cliente. Para manter a segurança das informações financeiras, o CNAB não é compactado.

O envio e o recebimento dos arquivos pode ser feito pelo site do próprio banco. Esse site garante alta segurança, bem como a privacidade das informações. Um exemplo pode ajudar a entender o papel do CNAB em todo esse processo.

Qual é o papel do CNAB nas transações financeiras?

Como já mencionamos, o CNAB se encarrega de manter a consistência e o diálogo entre o sistema do banco e o sistema financeiro interno da empresa. Suponha que sua empresa emitiu alguns boletos para os clientes realizarem os respectivos pagamentos.

Na hora de dar baixa no sistema financeiro interno, você então acessa o site do banco e verifica se há algum arquivo CNAB de retorno disponível para você.

Quando o arquivo aparece no site, você pode processá-lo no seu sistema financeiro interno. Com isso, o seu sistema estará capacitado para extrair os dados do CNAB e realizar a baixa dos boletos que já foram pagos.

Entendeu o papel do arquivo remessa em suas transações financeiras? Resumindo, ele se encarrega de levar as instruções que serão interpretadas pelo sistema do banco para dar baixa em cobranças ou pagar títulos e folhas de pagamento. Todo arquivo remessa gera um arquivo retorno.

Se você gostou das informações deste post e quer continuar aprendendo sobre transações financeiras, siga-nos no Linkedin e no Facebook!