Boleto sem registro x boleto com registro: quais as diferenças?

Boleto sem registro X Boleto com registro: Quais as diferenças?

Muitas pessoas não sabem que os boletos bancários existem em dois tipos, os boletos sem registro e os com registro — o que é compreensível, visto que pode ser difícil ver a diferença entre as cobranças apenas olhando o documento emitido.

E, na prática, a distinção entre os formatos tange mesmo ao emissor, pois é ele quem percebe aumento de custos, de segurança e de burocracia no modelo de cobrança registrada.

Veja agora tudo o que você precisa saber sobre as diferenças em boletos e porque sua empresa deve fazer a emissão mais segura!

Taxas

Boletos sem registro geram apenas taxa de compensação — descontada do montante da cobrança e retida pelo banco. Porém, quando são registrados, pode haver taxa de emissão, do próprio registro, de risco, em protesto — no caso de o sacado não pagar — e outras, dependendo da instituição financeira.

Burocracia

O preenchimento e a emissão dos boletos sem registro podem ser feitos de qualquer forma. E após isso, basta esperar pelo recebimento do dinheiro.

Já a cobrança registrada precisa que todos os dados sejam preenchidos e estejam corretos para que a emissão ocorra. E, mensalmente, a empresa deve enviar aos bancos que registram suas cobranças arquivos de remessa com as informações de todos os boletos gerados.

Segurança

As informações requeridas nas cobranças com registro evitam fraudes que são aplicadas por criminosos diariamente utilizando boletos. Torna-se mais difícil, por exemplo, alterar dados para desvio de dinheiro de supostos pagamentos quando a emissão exige informações completas e validadas de ambas as partes.

A confiabilidade do processo aumenta, tanto para o emissor quanto para o pagador.

Protesto

Uma das diferenças mais importantes e menos conhecidas em relação às cobranças é que a não registrada não é verdadeiramente um título de crédito do beneficiário para o sacado. Por isso, tecnicamente não tem valor documental para protesto em cartório. Mas são protestados, na maioria das vezes, quando há atraso ou omissão de pagamento.

Já o boleto com registro é emitido pelo próprio banco ou, pelo menos, em parceria do emissor com ele. Então, é um título de crédito oficializado pela instituição financeira e dá direito ao beneficiário de protestar a falta de quitação.

Fim dos boletos sem registro

Em 2013, a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) oficializou a resolução com o intuito de não mais permitir a emissão desse tipo de cobrança. Então, as mudanças iniciaram em 2015 gradativamente.

 

Confira o nosso eBook – Guia prático: o passo a passo para começar a emitir boletos com registro

 

Como resultado, até o final de 2016, todas as empresas deverão ter aderido ao boleto com registro bancário, pois essa será a única forma de cobrança via boleto a partir de janeiro de 2017.

A Federação aprovou a resolução junto às principais instituições financeiras brasileiras. A motivação para a mudança foram as fraudes recorrentes e crescentes. Então, a Febraban e os bancos desenvolveram o projeto Nova Plataforma de Cobrança, para aumentar a segurança e a confiabilidade dos processos para todos os envolvidos — já prevendo a extinção dos boletos sem registro.

Gostou do post de hoje? Então acompanhe nossos conteúdos sobre finanças, dados, segurança e outros fatores importantes às operações e à gestão da sua empresa. Curta a nossa página no Facebook e fique por dentro de todas atualizações do blog!