Otimize a relação com seus fornecedores e qualifique suas operações de Logística Inbound, com organização e agilidade a partir da automatização de processos relacionados com recebimento de carga.

Acompanhe indicadores de desempenho logístico e eleve o nível de suas operações de Logística Outbound com a integração de processos e automatização da troca de informações para maior visibilidade e eficiência de sua gestão.

Obtenha dados de suas vendas no varejo e de distribuidores para aumentar vendas, reduzir rupturas e perdas com informações compartilhadas para estruturar seus processos e auxiliar seu gerenciamento.

Aumente a sua demanda de transportes e seja encontrado por Embarcadores de todo o país.

Facilite a comunicação entre sistemas de gestão e diferentes bancos por meio da transferência de arquivos de forma ágil, íntegra e segura.

    Um sistema capaz de atender os processos de negócios de seus clientes empresariais sem necessitar o investimento em desenvolvimento de sistemas internos.

    O PagPlan é uma solução que permite o pagamento das principais contas de concessionárias (como água, luz, gás, etc.) e DETRANs: utilizando o cartão de crédito como meio de pagamento.

      O EDI Business é uma solução altamente customizável para gestão operacional e estratégica de arquivos.

      O EDI Enterprise oferece uma infinidade de recursos de intercâmbio de informações baseado em um conjunto de regras de envio e recepção, múltiplos protocolos de comunicação, além de topologia altamente flexível.

      Inovação e tecnologia aplicados a emissão, recebimento e armazenamento de documentos fiscais eletrônicos.

      Tecnologia para conectar transportadoras e embarcadores com inteligência e compliance.

      Blog

      Logística Outbound

      Como fazer o controle do CTe de forma eficiente? Descubra agora!

      9 meses atrás - por:

      como fazer o controle do cte

      A área de logística e distribuição envolve, entre outros requisitos, clareza quanto às questões fiscais. Respeitar as determinações da Secretaria da Fazenda para os serviços de transporte, além de estar em conformidade com a Lei, significa ter menos custos em todo o processo. Nesse cenário, inclui-se o certificado CTe.

      O CTe — Conhecimento de Transporte Eletrônico — é um documento semelhante à Nota Fiscal Eletrônica (NFe), exigido obrigatoriamente desde 2013. Ao ser responsável por serviços de transporte, é preciso ter um eficiente controle do CTe, garantindo assim a qualidade das entregas e evitando possíveis problemas com o Fisco.

      Para auxiliar o trabalho de gestão e controle do CTe, trouxemos hoje informações de como fazer o controle do CTe e quais as vantagens para sua empresa.

      Qual o formato do CTe?

      O CTe é exigido em todo o território nacional e obrigatório em todos os modais (Ferroviário, Aéreo, Rodoviário, Dutoviário ou Aquaviário). Seu formato é eletrônico e, assim como a NFe, apresenta-se como um arquivo XML e tem uma assinatura digital que garante a validade jurídica e a veracidade desse documento.

      Quais as vantagens do certificado eletrônico?

      Como é feito em formato eletrônico, ficam extintos todos os custos com papéis e impressões, além de diminuir os gastos operacionais e com equipe para melhor organização desses dados.

      Além disso, percebe-se um ganho de tempo durante as paradas obrigatórias dos veículos junto aos Postos Fiscais, uma vez que o CTe garante uma fiscalização muito mais ágil e simples. Outro benefício está na diminuição de erros documentais, já que os dados são digitados uma única vez e as informações enviadas em formato XML.

      Por que fazer o controle do CTe?

      Ao contar com um controle dos certificados de transporte eletrônicos, você consegue:

      • extrair todas as informações dos CTe’s emitidos por meio de um relatório;
      • executar a validação do CTe junto à Sefaz;
      • controlar os prazos e regras que a Sefaz exige para mudança no CTe ou seu cancelamento;
      • consultar quais CTe’s estão com prazo vencido;
      • criar alertas para que o gestor responsável saiba quando qualquer documento fiscal for alterado;
      • saber qual NF-e corresponde a cada CTe, de maneira integrada e rápida;
      • fazer a guarda legal pelo período devido de todos os CTe’s sem ser necessário um espaço para acúmulo de documentos em papel;
      • disponibilizar, quando autorizado, o CTe ao destinatário ou ao tomador do frete, em XML ou PDF, a fim de promover a colaboração fiscal entre os clientes e os transportadores;
      • facilitar e simplificar a Escrituração Fiscal e contábil, que necessitará de todas a NFe’s e CTe’s emitidas;
      • o armazenamento eletrônico permite facilitar a contratação de seguros;
      • menos burocracia e melhor gestão, dado que o CTe é composto por vários outros documentos que antes eram emitidos separadamente.

      Um controle eficaz do CTe também auxilia a gestão de todo processo. É possível identificar arquivos danificados, além de verificar todas as inconsistências nos dados, otimizando a atuação do gestor, que ganha em tempo e qualidade.

      Afinal, em situações de fiscalização, ter os documentos fiscais eletrônicos de maneira organizada é um problema a menos para atender quaisquer exigências de maneira imediata e eficiente. Os clientes do negócio também são beneficiados, em virtude da maior agilidade das entregas, promovendo satisfação e fidelização com a empresa.

      Como fazer o controle do CTe?

      Embora seja um documento digital, o CTe tem uma versão impressa chamada DACTE, ou Documento Auxiliar do Conhecimento de Transporte eletrônico. As informações são resumidas e o veículo deve tê-lo enquanto estiver prestando o serviço de transporte. Embora seja preciso apresentar o DACTe nos postos de fiscalização, o procedimento agora é mais rápido, visto que o CTe engloba outros documentos que antes eram emitidos separadamente, como:

      • Conhecimento de Transporte Rodoviário de Cargas, modelo 8;
      • Nota Fiscal de Serviço de Transporte Ferroviário de Cargas, modelo 27;
      • Nota Fiscal de Serviço de Transporte, modelo 7.

      O DACTE é emitido mediante autorização da Sefaz, para que depois a mercadoria seja liberada para o transporte. O procedimento ocorre nas cinco etapas seguintes:

      • O remetente faz a emissão da nota fiscal;
      • Em seguida, o responsável pelo transporte gera o CTe e envia o XML para a validação da Sefaz;
      • Após a autorização da Sefaz, o CTe é reenviado ao transportador, de forma eletrônica;
      • O DACTe é impresso pelo transportador;
      • Por fim, a mercadoria segue até o seu destino.

      Conforme as regras da Secretaria da Fazenda — Sefaz — é preciso fazer o credenciamento para estar apto à emissão do CTe, além de testar os sistemas emissores para a devida homologação.

      Cada documento de Conhecimento de Transporte é válido para todo o território nacional, mas o credenciamento e homologação é feito em nível estadual. Por isso, se a empresa tiver matriz em um estado e filial em outro, por exemplo, deverá fazer o pedido em cada federação onde houver uma unidade responsável pelo transporte e emissão desses documentos.

      Feito isso e com a posse de seu certificado digital (disponibilizado por Autoridade Certificadora credenciada ao ICP-BR), a empresa poderá fazer o controle do CTe de maneira integrada, com a total ciência de quantos documentos foram emitidos e do status de cada um deles.

      Como fazer a emissão do CTe de forma eletrônica?

      Depois que a Sefaz deixou de disponibilizar gratuitamente o CTe, foi preciso que as empresas adotassem sistemas que fizessem o procedimento, bem como o armazenamento e gestão. Escolher um bom software requer o conhecimento aprofundado sobre as necessidades da empresa, bem como os colaboradores devem estar capacitados para manusear a ferramenta e obter o seu máximo proveito. Para entender melhor o passo a passo de emissão do CTe, confira as subseções a seguir!

      Certificado digital

      Além de ter cadastro na Sefaz, é preciso obter o certificado digital para que a operação possa ocorrer eletronicamente. A empresa deve, portanto, solicitar um certificado junto à ICP (Infraestrutura de Chaves Públicas), de modo a garantir segurança e confidencialidade na hora de receber e enviar os documentos na rede.

      Configurar o sistema

      Para esta etapa é crucial contar com uma empresa que ofereça um bom suporte. É preciso alimentar o sistema com os dados do negócio que são necessários à emissão dos documentos eletrônicos, de modo a evitar erros e retrabalhos por parte dos colaboradores. Também é importante fazer com que o software realize a importação do arquivo XML, a versão digital da nota fiscal.

      Preencher os dados

      Com o sistema corretamente configurado e apto a importar XML, é hora de preencher os campos do CTe, sendo que os principais dados são:

      • remetente e destinatário;
      • chave de acesso da nota fiscal;
      • modelo do documento;
      • CFOP (Código Fiscal de Operações e Prestações);
      • informações sobre o veículo e o condutor.

      Saber como fazer o controle do CTe por meio de um sistema torna a operação mais rápida, eficiente e menos passível de erros. A eSales tem em seu portfólio soluções em logística focados em inbound e outbound, entregando agilidade e satisfação do consumidor. Mais do que isso, nosso sistema promove a melhor gestão dos processos, proporcionando também segurança e monitoramento das entradas e saídas de mercadorias da empresa.

      Para conhecer outros benefícios e impactos que a solução da eSales pode trazer à logística do seu negócio, acesse o nosso site agora mesmo!

      Por:
      eSales
      do autor

      Comentários sobre este post