Otimize a relação com seus fornecedores e qualifique suas operações de Logística Inbound, com organização e agilidade a partir da automatização de processos relacionados com recebimento de carga.

Acompanhe indicadores de desempenho logístico e eleve o nível de suas operações de Logística Outbound com a integração de processos e automatização da troca de informações para maior visibilidade e eficiência de sua gestão.

Obtenha dados de suas vendas no varejo e de distribuidores para aumentar vendas, reduzir rupturas e perdas com informações compartilhadas para estruturar seus processos e auxiliar seu gerenciamento.

Aumente a sua demanda de transportes e seja encontrado por Embarcadores de todo o país.

Facilite a comunicação entre sistemas de gestão e diferentes bancos por meio da transferência de arquivos de forma ágil, íntegra e segura.

    Um sistema capaz de atender os processos de negócios de seus clientes empresariais sem necessitar o investimento em desenvolvimento de sistemas internos.

    O PagPlan é uma solução que permite o pagamento das principais contas de concessionárias (como água, luz, gás, etc.) e DETRANs: utilizando o cartão de crédito como meio de pagamento.

      O EDI Business é uma solução altamente customizável para gestão operacional e estratégica de arquivos.

      O EDI Enterprise oferece uma infinidade de recursos de intercâmbio de informações baseado em um conjunto de regras de envio e recepção, múltiplos protocolos de comunicação, além de topologia altamente flexível.

      Inovação e tecnologia aplicados a emissão, recebimento e armazenamento de documentos fiscais eletrônicos.

      Tecnologia para conectar transportadoras e embarcadores com inteligência e compliance.

      Blog

      Logística Outbound

      Efeito chicote na logística: quando ocorre e quais as consequências?

      8 meses atrás - por:

      efeito chicote

      A cadeia de suprimentos envolve várias etapas e, a ocorrência de situações como a falta de uma comunicação efetiva, má administração do tempo, desorganização, entre outros, pode ocasionar no mau-gerenciamento dos processos e, com isso, gerar uma série de problemas. Entre eles, está o efeito chicote, que ocorre quando há uma divergência entre as demandas reais dos clientes e aquilo que foi previsto.

      Isso acontece pelo fato das empresas necessitarem de informações precisas e corretas a respeito das necessidades dos consumidores, com o intuito de manter os estoques preparados e produzir adequadamente, gerando a capacidade de atender o público. Contudo, quando esses dados são distorcidos, várias complicações recairão sobre o abastecimento, como níveis de produtos estocados incorretos, aumento dos custos, implicações no relacionamento com o público e parceiros e demais.

      Pensando nisso, elaboramos este conteúdo para mostrar as principais consequências do efeito chicote e quais medidas podem ser aplicadas para evitá-lo. Acompanhe!

      Quais são as principais causas do efeito chicote?

      Entre as principais causas do efeito chicote podemos apontar:

      • falta de comunicação: geralmente, ocorre entre os links da cadeia de suprimento, o que dificulta a realização dos processos. Por exemplo, identificar uma demanda de produto de forma diversa dentro dos variados elos da operação e, por isso, são encomendam volumes diferentes;
      • variações de preço: os descontos especiais e demais mudanças de custos podem impactar nos padrões de compras regulares. Os clientes querem aproveitar os descontos concedidos em um curto prazo, o que pode provocar a produção irregular e dados distorcidos em relação à demanda;
      • desorganização: falta de organização nos elos da cadeia de suprimento podem levar a pedidos maiores ou menores do que o necessário;
      • políticas de devolução gratuita: nesse caso, os clientes podem exagerar de maneira intencional nos pedidos em época de escassez e, após, fazer cancelamento, causando transtornos e prejuízos;
      • encomendas em lote: um erro, é acumular a demanda para fazer o pedido imediatamente aos fornecedores. O ideal é encomendar de forma semanal ou mensal, já que essa prática cria viabilidade da demanda, já que em alguns períodos a demanda pode ser maior e, logo em seguida, muito abaixo do esperado.

      Quais são as consequências do efeito chicote na logística?

      O efeito chicote pode ocasionar em várias consequências, não apenas para o setor de logística, mas para a empresa em geral. Confira as principais!

      Aumento dos custos do estoque

      Com a ocorrência de variação da quantidade de pedidos, os gestores precisam manter a operação disponível por meio da estocagem de um valor maior de itens, com foco em atingir a capacidade de atender todos os pedidos que podem aparecer em um determinado período.

      No entanto, há a possibilidade de a demanda ser menor que o esperado, levando a uma queda nos números de vendas e na saída das mercadorias. Assim, o estoque fica parado, o que vau aumentar os custos das operações, além de elevar os riscos de perecibilidade, avarias, vencimento da data de validade dos produtos etc.

      Desgaste de relacionamento

      Outro problema provocado pelo efeito chicote é a urgência em atender pedidos a curto prazo. Quando isso acontece, pode ocorrer um estresse na relação entre empresa e fornecedor, gerando desentendimento e problemas da qualidade do relacionamento, podendo ocasionar na ruptura da parceria com o decorrer do tempo.

      Ineficácia do cronograma de envio de pedidos

      A instabilidade gerada pelo efeito chicote também atrapalha a criação de um cronograma para o envido de pedidos aos fornecedores, ficando mais difícil prever quanto e qual o volume das aquisições a serem realizadas. Da mesma maneira, isso gera impactos no fornecedor, que vai ter problemas com as oscilações na demanda e pode não conseguir atender os pedidos, inclusive quando estiverem acima do projetado.

      Variações em relação à disponibilidade de itens

      As variações também atingem a disponibilidade das mercadorias para vendas. Então, quando isso acontece, há chances elevadas de manter um estoque em excesso de certos produtos ou sofrer com a falta deles. A organização pode ter que lidar não apenas com o prejuízo operacional, mas com a insatisfação e a eventual perda dos clientes, que vão buscar a concorrência para terem sua necessidade atendida.

      Quais as soluções para minimizar o efeito chicote em logística?

      Algumas medidas são bastante eficientes para minimizar o efeito chicote. A seguir, vamos mostrar algumas delas.

      Alinhe as estratégias internas

      Diversas ações podem gerar o efeito chicote na logística, por exemplo, práticas para bater metas no setor de vendas, tendo em vista que influencia diretamente no volume de pedidos. Dessa forma, o mais adequado é que os gestores se comuniquem de maneira clara e estejam com as ideias alinhadas. No momento de realizar análises periódicas, é necessário verificar bem os dados das medidas que foram empregadas com o fito de não levantar números distorcidos e errados.

      Melhore o desempenho operacional

      Os processos internos podem ser otimizados por meio de ferramentas que permitem um melhor controle do nível de estoque e que auxiliam na previsão de demanda dos clientes de forma mais efetiva. Outra dica é contar com transportadoras que atuam com cargas fracionadas, já que assim a companhia não precisa realizar pedidos muito grandes para alcançar um melhor preço relacionado ao custo com transporte.

      Esteja em sintonia com todos os envolvidos na cadeia de suprimentos

      O efeito chicote também poderá ser reduzido por intermédio de um melhor compartilhamento de informações. Todas as partes envolvidas da cadeia de suprimentos precisam estar por dentro das necessidades do consumidor final, e as organizações a par do estoque pendentes de seus fornecedores e, assim, impedir a ocorrência de pedidos incorretos ou atrasos.

      Otimize os processos com auxílio da tecnologia

      Uma dica é contar com softwares e demais ferramentas de automação como forma de agilizar e otimizar os processos, por exemplo, projeção e gerenciamento do estoque, previsão de demanda, planejamento da matéria- prima, entre outras atividades essenciais para o alcance de melhores resultados.

      Avalie o estoque com frequência

      Outra questão é reavaliar periodicamente o volume do estoque mínimo e máximo, além de realizar os ajustes que se fazem necessários. Nesse caso, a empresa pode levar em conta a elaboração de relatórios regulares e demais recursos, como um sistema eficaz, para ajudar na avaliação correta desses fatores.

      Agora que você entende o que é o efeito chicote e suas consequências, além de colocar as dicas apresentadas em prática para otimizar os processos organizacionais, é importante empregar outras boas práticas, como mapear os processos, preparar a equipe e acompanhar os indicadores e, dessa forma, conseguir detectar problemas e solucioná-los a tempo, evitando prejuízos para o negócio.

      Conseguiu esclarecer as suas dúvidas? Então, deixe o seu comentário aqui e diga para a gente qual é a sua opinião sobre o tema!

      Por:
      eSales
      do autor

      Comentários sobre este post