Gestão de risco em operações logísticas: o que é preciso saber?

Dentro da área de logística, a gestão de risco desempenha uma atividade importante no momento de mapear e mitigar os perigos inerentes à operação. Uma empresa que relega a sua execução ao segundo plano pode estar sujeita a enfrentar diversos obstáculos.

Muitas vezes, os prejuízos impactam não só os resultados financeiros, mas, também, a relação com os clientes e a confiabilidade do negócio. Por isso, os gestores devem dedicar tempo e recursos para oferecer serviços de transporte cada vez mais qualificados.

Se tem interesse em descobrir como tornar a atividade logística mais segura e eficiente, este post foi feito para você. Confira!

Gestão de risco: o que é e qual a sua importância

Sob o ponto de vista da administração, a gestão de risco é uma atividade desenvolvida com o intuito de:

  • identificar os potenciais riscos;
  • minimizar os danos à empresa e aos clientes;
  • propor planos para as ocorrências encontradas.

Esse tipo de estratégica tem foco em corrigir os aspectos do negócio que podem se converter em desafios no futuro. Ainda sob um viés positivo, é possível tornar a empresa mais preparada para lidar com os obstáculos, transformando-os em oportunidades.

Os principais riscos da operação de transportes

O gerenciamento da área de transportes exige que os gestores e profissionais sejam capazes de atuar nas mais diversas situações. Por isso, os principais riscos enfrentados são descritos abaixo.

Elevada incidência de roubo de carga

Essa é uma das maiores preocupações tanto para pequenas empresas como para grandes corporações. A cada ano, as perdas do setor chegam à casa dos milhões de reais e, com isso, fabricantes, transportadoras e clientes são prejudicados de forma significativa.

Produtos de alto valor agregado como eletrônicos, alimentos e remédios são extremamente visados por quadrilhas que agem nas regiões de escoamento do país.

Atrasos nas entregas

Esse desafio tem relação direta com a satisfação dos clientes que não recebem os seus pedidos dentro do prazo estipulado. Da mesma forma, os fabricantes são afetados, pois há possibilidade de causar lentidão na produção devido à falta de insumos que não foram recebidos.

Isso quer dizer que toda a cadeia de suprimentos é prejudicada quando um dos elos não é capaz de atender o planejamento de entregas.

Acidentes nas estradas

Esse é um problema que reúne diversas causas gerando, assim, inúmeras consequências para as empresas. Os acidentes podem ser causados pela condição precária das estradas, por sobrecarga do veículo ou imprudência do motorista.

Como resultado:

  • a carga e o veículo podem ser danificados durante o trajeto;
  • o motorista pode ser multado por infrações relacionadas ao seu comportamento na direção;
  • o cliente não receberá os seus produtos em condições adequadas.

Formas de minimizar os riscos

Um dos motivos que justificam o investimento em ferramentas de análise de risco é a sua relação com os objetivos organizacionais do empreendimento. Um modelo de gestão que se baseia não somente na correção de problemas, mas na sua prevenção tem maiores chances de sucesso.

Portanto, listamos soluções que podem se converter em vantagens competitivas que viabilizam o crescimento da empresa e a melhoria de seus produtos e serviços.

Monitoramento da frota

Caminhões ou carros utilizados na distribuição de mercadorias constituem um patrimônio valor tanto para a indústria que possui frota própria como para as transportadoras terceirizadas. Portanto, uma das formas de preservar esse bem e, ao mesmo tempo, proteger a carga é a contratação de sistemas de monitoramento.

Com o software de rastreamento veicular, é possível acompanhar a todo o trajeto de envio e possibilitar o compartilhamento de informações com os clientes. Informações como a estimativa de entrega e a localização da carga podem ser consultadas por meio de uma plataforma desenvolvida para esse fim.

Roteirização das entregas

Esse tipo de software contribui para diversas áreas dentro da distribuição de mercadorias, tais como:

  • aprimora as rotas de entrega;
  • agiliza a movimentação de cargas;
  • possibilita a redução de custos logísticos;
  • reduz o consumo de combustível da frota.

Existem diversas opções disponíveis no mercado que podem ser adquiridas a preços competitivos. Esse tipo de sistema também é vantajoso quando é necessário programar as remessas e contornar restrições no trânsito que podem causar atrasos.

Desse modo, o gestor pode automatizar esse processo que garante, além do aumento da eficiência, a redução dos riscos.

Acondicionamento da carga

Muitas avarias causadas às mercadorias podem ser atribuídas ao trabalho realizado durante a movimentação no armazém ou durante o embarque no veículo. Por isso, é fundamental avaliar como as atividades são desempenhadas pela equipe com o intuito de evitar erros.

Desde os equipamentos, como empilhadeiras, até as embalagens utilizadas, é importante refletir a preocupação com o estado no qual as mercadorias chegam até o destinatário. Por esse motivo, é fundamental que a equipe esteja treinada sobre os métodos de manuseio adequado.

O papel da tecnologia na sua estratégia

É impossível negar como as empresas têm melhorado os seus resultados com a utilização de equipamentos e ferramentas informatizadas. O controle da cadeia de suprimentos, o planejamento da distribuição e a segurança nos transportes são fatores que podem ser alcançados com a implantação de sistemas.

Eles são, inclusive, imprescindíveis para o gerenciamento de risco em todas as etapas do processo produtivo. Um dos principais motivos para realizar esse tipo de investimento é a sua capacidade de registrar todas as transações de compra, venda e a contratação de serviços logísticos.

Essa integração possibilita contato direto com fornecedores e clientes, eliminando a necessidade de conduzir esse tipo de negociação utilizando e-mail ou telefone. Além disso, os sistemas de gestão devem ser personalizados de acordo com a atividade de cada empresa.

Assim, o gestor pode:

  • controlar o desempenho das atividades;
  • propiciar a melhoria contínua da operação;
  • monitorar as áreas mais suscetíveis ao risco;
  • obter relatórios gerenciais para a tomada de decisão.

Toda a gestão de risco começa com o planejamento de iniciativas e projetos que são capazes de priorizar os principais potenciais problemas e minimizar o seu impacto. Porém, antes de tudo, é fundamental entender como a empresa opera e o mercado no qual atua para afastar efeitos negativos.

Para conhecer alternativas inovadoras que podem aprimorar o seu negócio, confira as nossas soluções de logística de distribuição. Veja como é possível planejar toda a operação desde o compartilhamento de dados com seus parceiros até a conclusão do processo de entrega.

Aproveite e siga nossos perfis nas redes sociais! Estamos no FacebookTwitter LinkedIn. Com isso, você sempre receberá conteúdos exclusivos!