Otimize a relação com seus fornecedores e qualifique suas operações de Logística Inbound, com organização e agilidade a partir da automatização de processos relacionados com recebimento de carga.

Acompanhe indicadores de desempenho logístico e eleve o nível de suas operações de Logística Outbound com a integração de processos e automatização da troca de informações para maior visibilidade e eficiência de sua gestão.

Obtenha dados de suas vendas no varejo e de distribuidores para aumentar vendas, reduzir rupturas e perdas com informações compartilhadas para estruturar seus processos e auxiliar seu gerenciamento.

Aumente a sua demanda de transportes e seja encontrado por Embarcadores de todo o país.

Facilite a comunicação entre sistemas de gestão e diferentes bancos por meio da transferência de arquivos de forma ágil, íntegra e segura.

    Um sistema capaz de atender os processos de negócios de seus clientes empresariais sem necessitar o investimento em desenvolvimento de sistemas internos.

    O PagPlan é uma solução que permite o pagamento das principais contas de concessionárias (como água, luz, gás, etc.) e DETRANs: utilizando o cartão de crédito como meio de pagamento.

      O EDI Business é uma solução altamente customizável para gestão operacional e estratégica de arquivos.

      O EDI Enterprise oferece uma infinidade de recursos de intercâmbio de informações baseado em um conjunto de regras de envio e recepção, múltiplos protocolos de comunicação, além de topologia altamente flexível.

      Inovação e tecnologia aplicados a emissão, recebimento e armazenamento de documentos fiscais eletrônicos.

      Tecnologia para conectar transportadoras e embarcadores com inteligência e compliance.

      Blog

      Produtividade e Gestão

      Qual é a atual situação da logística no Brasil? Descubra aqui!

      2 anos atrás - por:

      panorama atual da logistica no brasil

      Mesmo após a crise econômica, o mercado de e-commerce no Brasil vem crescendo, e o país se consolida como um dos mais desenvolvidos em relação ao comércio eletrônico mundial, ocupando a 10ª posição do ranking, de acordo com a Business. Por isso, é importante entender o panorama atual da logística no Brasil.

      Esse conhecimento não é importante só para o e-commerce, mas também para o agronegócio, que impulsiona a economia. Ele foi responsável pelo aumento do PIB do país em 2019, chegando a 21% da produção nacional, enquanto os setores de indústria e serviços contribuíram pouco, com índices de crescimento de 0,5% e -1,3%, respectivamente, de acordo com os dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

      A logística no Brasil supostamente deveria acompanhar nosso desempenho econômico, para poder fazer a entrega dos pedidos e das cargas de maneira segura e no prazo combinado. No entanto, apesar de cenários otimistas de crescimento, a infraestrutura logística ainda apresenta gargalos que impedem o avanço do setor.

      Neste post, vamos apontar a situação da logística no Brasil, os investimentos que serão necessários para alcançar eficiência e as inovações que podem ajudar o setor. Confira!

      Atual infraestrutura logística no Brasil

      Nas últimas duas décadas, o Brasil investiu uma média de 2% do PIB em obras de infraestrutura, considerado um valor abaixo da média de outros países emergentes, que foi de 5%. Até 2020, de acordo com a Confederação Nacional da Agricultura, o Brasil se tornaria o maior exportador de alimentos do planeta, mesmo deixando de produzir, em média, 4 milhões de toneladas de grãos pela falta de infraestrutura logística.

      Especialistas afirmam que esse desequilíbrio se manterá pelos próximos 10 a 15 anos, principalmente no modal terrestre – 80% dos produtos são transportados em caminhões, que se deslocam por rodovias em péssimas condições de conservação.

      Outro fator determinante para o aumento do custo de transporte é o preço do combustível – a gasolina, por exemplo, aumentou quase 30% em 2019.

      Entenda, a seguir, qual é o panorama atual da logística no Brasil, de acordo com as principais características de cada modal de transporte.

      Aeroportos

      A via aérea é escolhida com mais frequência para o transporte de eletroeletrônicos de alto valor agregado, pela sua rapidez e pela segurança conferida à carga, que não fica sujeita aos roubos em rodovias.

      No entanto, a burocracia para o embarque desses produtos, que geralmente levam até uma semana para serem liberados, acaba diminuindo a vantagem competitiva conferida pela agilidade do modal.

      Rodovias

      Este é o modal mais utilizado no Brasil e, apesar de o país possuir larga malha viária, está abaixo do adequado quando comparado a outros países. O principal fator negativo é o estado de conservação das rodovias.

      Esse desgaste é resultado do excesso de peso dos caminhões, da falta de investimento em melhorias, da má qualidade do asfalto ou do superfaturamento de obras com a colocação de manta asfáltica de espessura menor que a licitada.

      A consequência dessa má conservação é o aumento dos custos de transporte, já que a lentidão na entrega dificulta que a transportadora ou o motorista peguem mais cargas, diminuindo, assim, o número de viagens, além de gerar depreciação dos veículos, que é repassada no valor do frete.

      Ferrovias

      O Brasil é um país de dimensões continentais, e o modal ferroviário seria uma solução para suprir a demanda por um transporte rápido e de segurança.

      Apesar disso, são muitos os fatores que influenciam sua ineficácia, principalmente a dificuldade de padronizar as linhas pelos relevos distintos das regiões e os diferentes tamanhos de bitola das linhas já construídas, que impedem viagens interestaduais.

      Portos

      O principal gargalo desse modal é a burocracia, tanto no desembaraço de papéis quanto na vistoria das cargas.

      A capacidade de armazenagem nos portos também é deficiente, e a demora no descarregamento ou o carregamento acarretam em tempo excedido de atracação, com custos adicionais incididos sobre a carga.

      Além disso, a concentração do movimento portuário em mais de 50% nos portos de Santos, Paranaguá e Itaguaí, pela sua infraestrutura mais moderna, aumenta a morosidade nesses locais.

      Hidrovias

      Mesmo com tantas bacias hidrográficas no país, este é um modal pouco explorado. São 14 mil quilômetros no Brasil contra 15 mil na Índia, 102 mil na Rússia e 110 mil na China, de acordo com um estudo realizado pelo Instituto de Logística e Supply Chain (Ilos), divulgado em 2009, onde se compara as características estruturais dos países que compõem o BRICS, Estados Unidos e Canadá.

      O modal hidroviário é mais barato que o rodoviário e o ferroviário, e as principais hidrovias são: Araguaia-Tocantins, São Francisco, Madeira, Tietê–Paraná e Taguari–Guaíba.

      Desafios da infraestrutura logística

      O panorama atual da logística no Brasil apresenta alguns desafios para as empresas do setor. O passo número 1 para uma logística eficiente é a gestão das transportadoras e o seu grau de capacitação em relação à racionalização na distribuição de carga no transporte, ao monitoramento de produtos, ao investimento em inovações e na sustentabilidade.

      O desenvolvimento regional com o fortalecimento de cadeias produtivas nos diversos setores econômicos obrigaria o governo a enxergar a necessidade de um investimento mais significativo no setor.

      Enquanto isso, privatizações ou a terceirização de estruturas dos modais de transporte nacionais, como aeroportos, estradas e terminais portuários, podem atrair o interesse de investidores nacionais e estrangeiros e garantir que recursos sejam alocados para a melhoria na logística do país.

      Algumas iniciativas são implementadas pelo governo por meio do Plano Nacional de Logística e Transporte e pelo Programa de Aceleração do Crescimento, mesmo que muitas obras que compõem esses programas não tenham sido iniciadas por questões políticas, problemas locais ou conflitos de cunho ambiental.

      O setor da mineração, de importância significativa no panorama atual da logística no Brasil, investe como pode e de forma privada no sistema ferroviário. E a expansão de outros modais, mesmo que seja com investimentos de caráter particular, pode ampliar a rede logística no país e reduzir os altos custos associados ao uso do modal rodoviário.

      Soluções inovadoras para esses obstáculos

      O uso de tecnologias pode ser uma opção para inovar no setor e eliminar gargalos causados pela infraestrutura, garantindo importância estratégica no panorama atual da logística no Brasil.

      Um exemplo que, em breve, poderá ser utilizado para transporte de pequenas cargas é o uso de drones. Por meio aéreo e de forma mais barata, eles vão contribuir para descongestionar estradas e aumentar a agilidade nas entregas.

      A Boeing, maior fabricante de aviões, apresentou, em 2019, um modelo com capacidade de carregar até 227 kg de carga. Testada pela rede Amazon, o objetivo é viabilizar a entrega “relâmpago” — logo após o pagamento no processo de compra por meio do e-commerce, com prazo de entrega máximo de 30 minutos.

      As possibilidades são imensas quando envolvem tecnologia. Cabe às empresas se apoderarem do que já está disponível no mercado e desenvolverem seus processos para que não sejam totalmente dependentes da estrutura logística disponibilizada pelo governo.

      Grandes tendências do setor de transporte em 2020

      O ano de 2020 começou com uma série de grandes expectativas para o setor de transporte no Brasil. Com uma indicação de recuperação da economia (a previsão era de crescimento do PIB em mais de 2%), o segmento esperava um ano intenso.

      Além da alta movimentação (que acabou afetada pelo novo coronavírus), o panorama atual da logística no Brasil também previa muita transformação por causa de novas tendências do setor. Confira algumas a seguir!

      Blockchain

      O blockchain, uma tecnologia que permite fazer o registro aberto de informações de modo confiável, é uma das grandes tendências do setor de logística para 2020 e além.

      A perspectiva é que a aplicação prática da tecnologia melhore a rastreabilidade de uma carga a qualquer momento, facilitando a comunicação na logística, para que todas as empresas envolvidas no transporte possam compartilhar a mesma rede e verificar a informação em tempo real.

      Análise inteligente de dados

      O uso da análise inteligente de dados e a cultura data driven vêm afetando todas as áreas da economia e, de acordo com o Fórum Econômico Mundial, terá impacto sensível na logística e no transporte.

      A perspectiva é que a análise de dados seja aplicada para otimizar os centros de logística, permitindo identificar gargalos de produtividade e melhorar a precisão no gerenciamento de informações. Assim, será possível tomar decisões mais estratégicas, que reduzirão o custo. Tudo isso será feito em uma escala digital de maior alcance, pegando toda a supply chain de uma operação.

      Computação em nuvem em massa

      A computação em nuvem não é uma novidade no panorama atual da logística no Brasil, mas deverá intensificar-se em 2020.

      De acordo com pesquisadores, a expectativa é que metade de todos os dados gerados pelas empresas do setor sejam criados e processados na nuvem até 2023, contra menos de 10% em 2019. Por isso, a computação em nuvem deverá ter uma adoção em massa em 2020 e nos próximos anos.

      Influência do coronavírus no panorama atual da logística no Brasil

      O ano de 2020 é um ano atípico dentro da História recente. Isso porque a movimentação econômica e social no mundo todo foi afetada duramente pela pandemia causada pelo novo coronavírus.

      O microorganismo, responsável pela doença Covid-19, infectou milhões de pessoas e segue fazendo muitas milhares de vítimas fatais pelo planeta todo, obrigando as sociedades a adotarem medidas de quarentena e isolamento social para diminuir sua propagação.

      A medida de proteção contra o vírus, no entanto, gerou uma problemática considerável em termos econômicos: como manter o abastecimento de alimentos, remédios e produtos de todos os tipos em um cenário em que as pessoas estão em casa?

      O primeiro impacto sentido pela pandemia do novo coronavírus foi no transporte internacional. Com menos demanda por produtos não essenciais e com a China sendo um dos primeiros países em lockdown (e, portanto, com produção reduzida), a atividade comercial em portos e aeroportos diminuiu consideravelmente.

      Em seguida, os setores produtivos no mundo todo (inclusive no Brasil) passaram a adaptar-se para manter o ciclo de produção e da logística para abastecer os mercados. O uso de robôs em todo o processo aumentou consideravelmente, enquanto lavouras tiveram de se adaptar de muitas formas para seguir o trabalho.

      A perspectiva é que o novo coronavírus tenha mudado permanentemente os hábitos de consumo das pessoas, e, portanto, o panorama atual da logística no Brasil deverá mudar para refletir isso. Para se ter uma ideia, a expectativa é que o setor de vendas pela Internet cresça consideravelmente e ultrapasse os R$100 bilhões em 2020. No momento, o crescimento já é de 30%.

      Com isso, as empresas de transporte terão significativa importância no panorama atual da logística no Brasil, adotando maiores tecnologias para poder criar o caminho que conectará produtores e consumidores no mundo pós-coronavírus.

      Gostou do artigo? Então participe da discussão conosco: deixe um comentário aqui com a sua opinião sobre o panorama atual da logística no Brasil!

      Por:
      eSales
      do autor

      Comentários sobre este post